www.extremos.org.ve

Extremos... tu estilo de vida.

Página inicial > Manuales > Introdução à Espeleología

Introdução àEspeleología

Introdução, conceitos básicos e história

domingo 1º de janeiro de 2017, por Imeru Alfonzo Hernandez

Todas as versões desta matéria: [English] [Español] [Português do Brasil]

Introdução

A exploração de cavernas e seu estudo constituem a base da espeleologia. Esta atividade, científica-esportiva, surge como tal no final do século 19 na França, e o termo é cunhado pelo explorador francês EA Martel (Dematteis, 1975) e, posteriormente, formalmente empregado em escritos de Emile Rivière (Pérez-Ramírez, 1982) . Estende-se pela Europa em alguns anos e no início do século XX para a América. Esta atividade, em seu aspecto esportivo, oferece impressionantes aventuras na natureza, já que, ao longo de um fim de semana ou em apenas um dia, o espelunker pode se sentir movido para um mundo tão remoto como pode ser a profundidade abismal ou a superfície lunar .

Por outro lado, as atividades científicas nas cavernas fazem contribuições importantes em várias especialidades, como Bio-Peleology, Geospeleology, Espeleoanthropology, Hydrospeleology, Speleology Físico, Speleopaleontology, Speleophysiology, etc. É indiscutível que o espeleologista é cientista e atleta; deve ter condições físicas mínimas para enfrentar os rigores do mundo subterrâneo, uma vez que nas profundezas podem ser encontradas das cavernas horizontais confortáveis ​​a abismos profundos ou sistemas complexos de labirinto. Existem todos os tipos de cavidades que requerem diferentes níveis de preparação e experiência. A prática deste esporte requer um maior grau de preparação mental. Isolamento em um ambiente onde as referências temporais e espaciais são perdidas e a certeza de estar às vezes muito longe da saída na escuridão total afeta psicologicamente o explorador se ele não está preparado para isso.

Em explorações complicadas, o conhecimento, a auto-suficiência e o espírito de equipe são fundamentais, já que o mundo subterrâneo pode ser fantástico ou terrível de acordo com a preparação ou predisposição do spelunker.

Conceitos básicos

Existem algumas palavras comumente usadas na espeleologia, na lista a seguir são anexadas as que são freqüentemente usadas em um projeto exploratório básico, alguns desses conceitos serão expandidos em seções posteriores.

Karst: Terreno variável e irregular, formado por rochas solúveis, fratadas ou semi-fracturadas com boa permeabilidade. São geralmente áreas calcárias ou com abundantes carbonatos, embora também existam em áreas de rochas mais resistentes, como arenitos e quartzitos, chamados pseudokasrt.

Speleology: Ciência e atividade que visa estudar e explorar cavernas.

Cave: Cavidade subterrânea de origem natural. Produto da circulação de água ou fluidos, corrente ou passado que corrompe a rocha encajante e gera um vazio de extensão importante ou pelo menos acessível por um ser humano.

Gruta: Cavidade natural ou artificial com penetração limitada.

Shelter: Coloque parcialmente coberto por rochas que protegem até certo ponto do clima.

Sima: Cavidade vertical de desenvolvimento importante. (sinônimo de Haitón, nome local que recebem na Serra de Falcón, Venezuela)

Sink: Oquedad, caverna ou abismo onde a água da causa dos rios desaparece para uma viagem subterrânea.

Resurgence: Oquedad ou caverna onde a água aparece depois de fazer uma turnê subterrânea, esta é uma viagem hipogâmica conhecida.

Desenvolvimento: Comprimento total da projeção horizontal do curso de uma caverna.

Elevação: Diferença de elevação ou profundidade que uma caverna tem em relação àboca principal, nível 0.

Locality Karstica: Lugar ou extensão geográfica em que se situam os afloramentos rocosos onde as cavidades se desenvolvem.

Calcário: Rocha sedimentar não-clássica composta principalmente de carbonato de cálcio (CaCO3)

Mármore: equivalente metamórfico de calcário, muito compacto e cristalino.

Arenito: Rocha sedimentar clássica composta de grãos detritais entre 1/16 mm a 2 mm de diâmetro e cimento silicioso. O seu componente mais comum é o quartzo.

Meteorización: Conjunto de processos externos (físicos e / ou químicos) que causam a decomposição e a alteração petrológica das rochas superficiais.


(C) 2007-2018 Imerú Alfonzo Hernández, Todos los derechos reservados, puede usar los textos e imágenes presentados en este artículo, siempre que se cite la fuente original.