www.extremos.org.ve

Extremos... tu estilo de vida.

Página inicial > Manuales > Geología > Rochas Metamórficas, Textura

Geologia

Rochas Metamórficas, Textura

domingo 1º de janeiro de 2017, por Imeru Alfonzo Hernandez

Todas as versões desta matéria: [Español] [Português do Brasil]

O objetivo deste curso é fazer um estudo introdutório para as METAMORPHIC ROCKS, para caracterizar este tipo de rochas, é necessário estudar sua textura e mineralogia, este último adquire singular importância para determinar a facilidade metamórfica em que foi formada e tanto a depressão quanto as condições de temperatura a que foi submetida (a identificação das facies metamórficas é deixada para cursos posteriores).

TEXTURE

A TEXTURA de uma rocha descreve o tamanho dos cristais que a compõem, sua forma, distribuição e orientação. A origem destes pode ser atribuída a variáveis ​​como cristalização, deformação e tempo.
Para descrever as texturas nas rochas metamórficas, utilizam-se os seguintes termos:

Série crystalloblastic: Este termo aplica-se àfábrica e às relações de textura resultantes do crescimento de cristais durante o metamorfismo. Eles são distintos:

IDIOBLASTO: cristais metamórficos com bom desenvolvimento de faces cristalográficas.

XENOBLà STOS: Minerais metamórficos que não desenvolveram faces cristalográficas.

HIPIDEOBLà STOS: Grãos metamórficos que desenvolveram rostos cristalográficos.

TEXTURAS GRANOBLà STICAS: textura não direcional, disposição desordenada dos componentes. A textura do grão caracteriza-se por cristais equidimencionais, que normalmente são xenoblastos, é típico do metamorfismo de contato, embora algumas rochas de metamorfismo regional possam ser apresentadas como é o caso de algumas bolinhas.

TEXTURA FOLIADA: Típico do metamorfismo regional. É o arranjo paralelo de minerais (esquistossomose) e / ou arranjo paralelo em bandas. O termo foliação é aplicado a qualquer estrutura paralela de origem metamórfica. Eles são distintos:

Textura de PIZARROSA: textura foliar composta principalmente de minerais aphaniáticos muito finos, que por vezes não são visíveis, mesmo sob um microscópio.

TEXTURA FILà TICA: textura foliada de grão fino, definida pela orientação de filossilicatos.

ESQUISTOSA TEXTURE: Textura formada pela disposição de minerais de grãos médios com hábito micáceo, tabular, acicular ou quartzo orientado.

TEXTURA Gà STICA: textura metamórfica de grão grosso, consistindo em bandas alternadas constituídas por minerais felsic e ferromagnesianos.

Metamorphic Facies

Anteriormente, o conceito de metamorfismo e seus tipos tinham sido estudados. Vimos que tanto as rochas produzidas nos halos de contato das intrusões como as rochas metamórficas que formam os cintos metamórficos regionais mostram sequências caracterizadas por índices minerais, concluindo que a mineralogia final de uma rocha metamórfica depende das condições de pressão e temperatura ( P, T) atingiram durante o metamorfismo e sua composição mineralógica e química. Isso levou ao estabelecimento de um conceito fundamental, o de FACIES METAMÓRFICAS. Uma rocha ou um conjunto de rochas pertencem a fácies metamórficas quando essas rochas foram formadas ou recristalizadas em uma certa faixa de (P, T), que é definida pela ESTABILIDADE de certos minerais críticos. A facies é então um conceito mineralógico que designa um grupo de rochas caracterizadas por um conjunto definido de minerais formados em condições metamórficas particulares.

Os tipos metamórficos podem ser divididos de acordo com a pressão (alta pressão, pressão intermediária, série de baixa pressão), de acordo com a temperatura (metamorfismo de grau muito baixo, baixo grau, médio e alto grau, de acordo com a aumento da temperatura) ou de acordo com a relação P / T (metamorfismo de P / T alto, P / T intermediário ou P / T baixo).


(C) 1995-2018 Imerú Alfonzo Hernández, Todos os direitos reservados, você pode usar os textos e imagens apresentados neste artigo, desde que a fonte original seja citada.