www.extremos.org.ve

Extremos... tu estilo de vida.

Página inicial > Manuales > Geología > Bacias Sedimentares

Geologia

Bacias Sedimentares

sexta-feira 1º de janeiro de 2016, por Imeru Alfonzo Hernandez

Todas as versões desta matéria: [English] [Español] [Português do Brasil]

Bacias sedimentares

As teorias mais modernas consideram a origem e a localização das bacias sedimentares em relação àestrutura tectônica onde elas são encontradas. De acordo com isso, a localização das bacias pode ser descrita em referência a três fatores fundamentais: Tipo de litosfera que compõe o porão da bacia, Proximidade da bacia a um limite de placa e Tipo de deformação estrutural predominante no referido limite de placa .

As bacias podem ser descritas de acordo com as seguintes estruturas tectônicas:

1. OCEAN BASINS: sua base é a crosta oceânica. Aqui, a proximidade com a dorsal (taxas mínimas de sedimentação, principalmente lamas siliciosas e calcárias) ou a margem continental (importantes contribuições clássicas e não-clássicas) irão reger a sedimentação.

2. SEPARAR MARGENS CONTINENTAIS (RIFTING): Aqui, a sedimentação será governada pela evolução do processo de rift. Na primeira etapa, a crosta sobe e sobre ela aparecem vulcões que eruptam lavas alcalinas. Essas pesquisas constituem fontes muito importantes de sedimentos (como as chamadas camadas vermelhas, arenitos e conglomerados). Quando a crosta começa a frustrar, estes sedimentos se interstraptam com fluxos vulcânicos e quando a área invade o mar, os golfos proto-oceânicos se formam. Nestes calamares, a circulação é restrita e, portanto, a matéria orgânica pode se acumular (balas negros, mães de hidrocarbonetos), se o clima for árido, podem também formar-se evaporites. Nesta fase, o vulcanismo subaerial é nulo. Chega um momento em que a crosta continental diminuiu sua espessura e se torna semelhante ao oceânico, aparecendo um centro dorsal ou de expansão. São então geradas duas margens passivas, que recebem as contribuições sedimentares dos blocos continentais, gerando um prisma basal ou uma cunha clástica, que abrange as seqüências depositadas, formando uma plataforma continental. Se a sedimentação clástica for muito grande (alimentada por grandes rios), podem ser gerados até 18 km de espessura de sedimentos clásicos e carbonatos marinhos rasos. Em áreas de baixa contribuição clética, a sedimentação será regida por calcários e evaporites de recifes (climas áridos).

3. ARCO-TRINCHERA SYSTEMS: Aqui a crosta é destruída e os arcos vulcânicos - plutônicos são gerados que são fontes importantes de sedimentos. Além disso, há a criação de um complexo de subdução ou prisma de acréscimo. Da mesma forma, entre os arcos gerados, é possível a formação de bacias sedimentares. A localização dos ofiolitos também é importante aqui.

4. SUTURE BELTS: onde dois blocos continentais são justapostos. Quando os dois continentes colidem, as seqüências das bacias acima mencionadas são deformadas e podem ser destruídas. Da mesma forma, uma bacia característica chamada Peripheral é criada.


(C) 1995-2018 Imerú Alfonzo Hernández, Todos os direitos reservados, você pode usar os textos e imagens apresentados neste artigo, desde que a fonte original seja citada.